Jequié - Bahia: Ciclistas Invisíveis propõe criação de uma frente parlamentar suprapartidária da bicicleta na Assembleia Legislativa da Bahia. #cicloolhar

Estúdio da 93 FM em Jequié - BA, deputado e jornalista Euclides Fernandes, 
major Cruz, documentarista Dado Galvão e o jornalista Márcio Lima. 
 
No programa  A Semana em Revista da Rádio 93 FM, o jornalista e deputado estadual pelo PDT da Bahia, Euclides Fernandes, dialoga com o documentarista e cicloativista Dado Galvão, sobre políticas públicas para o ciclismo no município de Jequié - Bahia. Participam também o jornalista Márcio Lima e o major Souza Cruz, da Policia Militar da Bahia/19° BPM. 
 
Galvão sugeriu ao deputado, a criação de uma frente parlamentar suprapartidária da Bicicleta ou do ciclismo na ALBA (Assembleia Legislativa da Bahia).
 
  
 

#CICLOOLHAR CIDADANIA: SUGESTÕES DE MODELOS DE CICLOESTRUTURAS E CICLOVIAS NAS RODOVIAS DO PARANÁ EM CONSULTA PÚBLICA DA ANTT PODEM SER FEITAS DIRETAMENTE PELO SITE DA AGÊNCIA.

 
  
Segue até o dia 5 de abril o prazo final para contribuições na consulta pública sobre o novo modelo de concessões de rodovias federais no Paraná. Inicialmente o prazo era o dia 22 de março, mas o site da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) ficou fora do ar ao longo de todo o dia. Isso quer dizer que há mais uma oportunidade para que possam ser feitas contribuições no sentido de que seja defendida a necessidade de inclusão de cicloestruturas e ciclovias nas rodovias do Paraná.

O momento é agora!

Esse é um anseio que não pode passar batido, a oportunidade está aberta e o momento é agora, caso contrário somente daqui a 30 anos, quando um novo processo de concessão será aberto. A necessidade de uma tarifa justa de pedágio é urgente, mas também é fundamental que sejam realizados estudos complementares para que os projetos garantam segurança para o uso da bicicleta e dos pedestres, em todo o estado do Paraná, o que poderá também ser usado como exemplo por outros estados.

 Circuito de Cicloturismo no Parque Vila Velha – Foto: Ivan Mendes © Lobi Ciclotur


Leia matéria completa aqui!
 

Hora de Notícias - Entrevista com Dado Galvão do Movimento @cicloolhar


Ciclistas de Jequié demarcam espaços e chamam a atenção dos poderes públicos e comunidade.

Em mensagens manuscritas curtas inseridas em pedaços de papelões amarrados na posteação das ruas de Jequié, adeptos do ciclismo, simpatizantes e ativistas buscam sair da invisibilidade chamando a atenção dos poderes públicos e demais pessoas envolvidas no trânsito da cidade, para a importância das bikes, como meio de transporte e lazer, sem que disponham de faixas exclusivas que possam levar segurança ao que utilizam diariamente essa prática.
 
O documentarista Dado Galvão, é um dos fundadores de um movimento na cidade que busca promover ações públicas de incentivo à cultura e uso da bicicleta no município, defende que Ciclistas precisam enxergar ciclistas. “É necessário que os grupos de ciclismo local exerçam papel coletivo de cidadania e pressão social, exigindo políticas públicas, leis, incentivo para os usuários de bicicletas, com ou sem uniforme, com ou sem capacete, da barra circular ao carbono, da fábrica ao ciclotursimo, do operário ao doutor. A magrela está em todos os lares e desconhece fronteiras”.
 
O Programa Hora de Notícias, com os jornalistas Wilson Novaes e Ronny Brayner, entrevista o documentarista e cicloativista Dado Galvão, sobre políticas públicas para o ciclismo no município de Jequié - Bahia.
Fonte: Jequié Repórter 30/03/2021
 
 
 

#cicloolhar Documentarista Dado Galvão, conversa conosco sobre cicloativismo

JN: Você é conhecido pela atuação no audiovisual, principalmente no contexto sociológico. Atualmente está mais ligado ao ciclismo com um foco ativista. Conte um pouco dessa nova etapa da sua vida.

Dado Galvão: Devido aos reflexos da pandemia, paralisamos nossas atividades de campo da missão humanitária e cultural, a Missão Ushuaia ( www.MissaoUshuaia.org ), que é um projeto de documentário e ativismo que trabalha questões relacionadas aos refugiados venezuelanos e o exercício da cidadania MERCOSUL, com foco na situação sociopolítica da Venezuela. Nossa missão é reconhecida através da declaração (39/2019) do PARLASUL (Parlamento do MERCOSUL), como de interesse cultural e humanitário.

Paralelo aos trabalhos da Missão eu já tinha o hábito de pedalar, mas essa conexão entre o ciclismo e a técnica fotográfica é fruto de uma especialização em fotografia, que me fez pensar sobre o olhar do ciclista, como ele enxerga os lugares pedalando e a sua relação com esse ambiente que percorre. A partir daí criei o movimento Ciclo-Olhar, no qual analiso esses registros que podem ser acessados no blog www.CicloOlhar.blogspot.com onde partilhamos fotos enviadas dos ciclistas de todo o Brasil no instagram @CicloOlhar.  

(LEIA ENTREVISTA COMPLETA AQUI)

Fonte: Jequié Noticias, 27/03/2021

Em Jequié: os ciclistas invisíveis #cicloolhar

 
Os jornalistas Marcos Cangussu e Márcio Lima, (93 FM), conversam com o documentarista e idealizador do Movimento @cicloolhar, Dado Galvão, sobre (políticas públicas para o ciclismo) no município de Jequié - Bahia. 
 
 
 
Movimento @cicloolhar 23/03/2021

#cicloolhar "SUMTRAN inicia estudo técnico para a implementação de ciclovias em Jequié"


Um antigo sonho dos amantes da bicicleta em Jequié pode estar próximo de se realizar: a implantação de ciclovias na cidade. O prefeito do município, Zé Cocá (PP), anunciou que a Superintendência Municipal de Trânsito (SUMTRAN) já iniciou os estudos técnicos na cidade para a implementação de ciclovias. Neste momento, Jequié não conta com 1cm de ciclovias ou ciclofaixas o que prejudica e muito a vida dos ciclistas na cidade sol, que utilizam a bike como forma de esporte, lazer e também de locomoção para o trabalho. O município de Vitória da Conquista é um bom exemplo neste sentido, gestões de partidos diferentes investiram nos últimos anos na ampliação das ciclovias e ciclofaixas, sendo que Conquista hoje tem mais de 25 km das faixas exclusivas aos ciclistas. Os efeitos positivos são vários, como: a diminuição do engarrafamento, mais segurança aos ciclistas, incentivo à práticas esportivas e saudáveis, dentre outras. Fonte: (Jequié Repórter, Ronny Brayner – Jornalista, 16/03/2021)

#cicloolhar Secretaria de Cultura e Turismo de Jequié, informa sobre execuções das ações da Lei Aldir Blanc.


"A Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Cultura e Turismo, informa aos trabalhadores da Cultura, proponentes de projetos do edital Resistência Cultural, que a administração municipal vem solicitando informações da Secretaria Especial de Cultura, unidade responsável pelo acompanhamento da execução das ações da Lei Aldir Blanc e que está vinculada ao Ministério do Turismo, no sentido de obter orientações quanto à prorrogação do período de realização de atividades presenciais, mas até o momento, a Secretaria Especial de Cultura não publicou novos procedimentos a serem seguidos pelas secretarias estaduais e municipais de Cultura".

Prefeitura de Jequié
Secretaria de Cultura e Turismo

#cicloolhar Prefeito e Vereadores (as) de Jequié - BA.

Excelentíssimos (as) Vereadores (as) de Jequié – BA.

Qualquer cidadão pode fazer um requerimento.  

Foram muitos requerimentos realizados por vereadores (as) nas diversas legislaturas, recomendando ao executivo local, construções de ciclovias.  

(Estamos cansados de muitos requerimentos e nenhuma ação prática).  

Exijam do Poder Executivo, (Prefeito), Prática! Ação!  

Exerçam o trabalho de Vossas Excelência$, dado pelo povo, legislando (criando leis) para que tenhamos Políticas Públicas Municipais, voltadas para o ciclismo. Fiscalizem o executivo. 

Os (as) Ciclistas Invisíveis de Jequié, também requerem.

Fonte: Movimento @cicloolhar
Cicloolhar.blogspot.com 14/03/2021

#cicloolhar "É preciso resolver as questões de infraestrutura das cidades que ainda priorizam os carros".

 
#cicloolhar BR 116, Jequié/BA, (Crisman Bispo) “Cris” é mulher; trabalhadora da indústria de calcados Ramarim; ciclista orgânica/raiz, moradora do bairro “Curral Novo”, utiliza sua bicicleta para chegar ao trabalho. 
 
No mês da mulher, especialmente, muitos assuntos são abordados sobre equidade de gênero em diversos setores da sociedade. Ainda há diversas barreiras para as mulheres dentro da construção de cidades inteligentes e a questão cultural interfere diretamente na diferença entre os gêneros, já que sua rotina, geralmente, inclui múltiplos destinos, além do envolvimento de filhos e/ou idosos. Para contribuir com o tema, a Tembici, líder em tecnologia para micromobilidade na América Latina, realizou uma pesquisa com usuárias de seus sistemas de bicicletas compartilhadas.

A pesquisa aponta que saúde física e mental é um fator decisivo alto entre as mulheres. No levantamento, mais de 72% das usuárias concordam que perceberam uma melhora em seu dia a dia quando passaram a pedalar e 80% se sentem mais livres e independentes. Dentre os principais fatores para pedalar, 27% delas destacam, prioritariamente, a importância de ter uma vida mais saudável. Na sequência, os motivadores são considerar o modal um transporte mais rápido e prático (19%) e por ser sustentável (16%).

Para Carolina Rivas, diretora que está à frente do Comitê de Diversidade e Inclusão e da área de ESG da Tembici, para democratizar e pluralizar ainda mais o acesso às bicicletas é preciso resolver as questões de infraestrutura das cidades que ainda priorizam os carros. Além disso, é necessário um olhar atento para as questões de segurança no trânsito, onde o maior sempre deve ter o papel de proteger o menor. “Os investimentos dos poderes públicos em relação à micromobilidade têm impacto direto nos padrões de viagem das mulheres. 44% das respondentes da pesquisa disseram que acham boa a infraestrutura cicloviária em suas cidades, mas que vêem muito potencial de melhorias e mais de 87% se sentem motivadas a pedalar com a disposição de ciclovias em seus trajetos. 54% delas afirmaram que deixariam de usar de vez outros meios de transporte pela bicicleta, se a situação viária melhorasse”, comenta a executiva.


Sobre a metodologia: A Tembici realizou a pesquisa entre a última semana de fevereiro e primeira de março. As respostas foram coletadas de forma online em um questionário enviado aos usuários do projeto Bike Itaú.

Sobre a Tembici

A Tembici é a empresa líder de micromobilidade na América Latina, responsável por mais de 50 milhões de deslocamentos com bicicletas nas principais capitais brasileiras, como Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife e Porto Alegre, além de Santiago, no Chile, e Buenos Aires, na Argentina.

Considerada uma das startups mais promissoras e inovadoras do país, pela lista das 100 Startups to Watch (2020), ao longo dos últimos anos a empresa acompanhou o aquecimento do setor de micromobilidade no mundo e, devido ao seu modelo de negócio e qualidade do produto, registra crescimento sólido e contribui diretamente para consolidar a bicicleta como um modal de transporte nas cidades em que atua.

Ariane Hipolito ariane@vcrpbrasil.com (98) 99247-8669

 

#cicloolhar Jequié: Ciclista atropelado na Ladeira da Balança.

 

Homem em bicicleta é atropelado na Av. José Moreira Sobrinho, Ladeira da Balança; motorista evadiu

Mais uma pessoa foi vítima de atropelamento na Avenida José Moreira Sobrinho, bairro Jequiiezinho, ladeira de acesso ao Centro Administrativo de Jequié. A ocorrência foi registrada pela Guarda Municipal na tarde desta segunda-feira, 08 de março. Um senhor que saia do trabalho montado em uma bicicleta foi atingida por um veículo. O motorista evadiu do local sem prestar socorros. A vítima, um senhor não identificado sofreu escoriações no corpo e foi socorrida por uma equipe do SAMU 192. Esta não é a primeira vez que pessoas são atropeladas neste trecho e os condutores não prestam socorro. A Ladeira da Balança como é denominada requer uma atenção especial da Superintendência Municipal de Transito – SUMTRAM e da Policia Militar
.

 ASSISTA 

Jequié: Programa Trânsito e Mobilidade 

Jequié: Ciclistas Invisíveis  

Jequié: Placas de Papelão  

 Fontes: textos e fotos Blog do Zenilton Meira, Site Marcos Cangussu, 08/03/2021 

#cicloolhar Rádio Uninter: o uso de bicicletas nos municípios

No programa Trânsito e Mobilidade desta (sexta-feira, 5/3) às 14h30min teremos o egresso de Teologia Católica da Uninter, Dado Galvão, que promove ações públicas de incentivo à cultura e uso da bicicleta no município de Jequié-BA. Galvão também é documentarista e fundador do movimento Ciclo-Olhar..

A apresentação do programa é dos professores da Escola de Gestão Pública, Política, Jurídica e Segurança: Gerson Buckzenko e Valdilson Lopes. Venha acompanhar!

Clique na imagem abaixo para visualizar o vídeo

   04 março 2021.

( Movimento #cicloolhar ) #resistenciaculturaljequie #leialdirblacbahia


Devido aos efeitos provocados pela pandemia, aguardamos orientações da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo do Município de Jequié – Bahia, “Edital Resistência Cultural”, para iniciar a execução presencial do projeto Ciclo-Olhar: fotografia, cinema documentário e a subcultura da bicicleta, em duas escolas municipais, selecionadas na sede do município e duas escolas nos distritos.
 
Fonte: Dado Galvão ( Movimento @cicloolhar )
Atualização: 12/02/2021

#cicloolhar Jequié - Bahia: em outdoor ciclistas exigem ciclovias.

 Outdoor colocado na Av. César Borges, Jequié - BA
 
Ciclistas de Jequié, cidade do interior baiano de aproximadamente cento e sessenta mil habitantes, a cerca de 400 km da capital Salvador, organizaram uma vaquinha e colocaram na principal avenida da cidade, Av. César Borges, um outdoor exigindo políticas públicas para o ciclismo local.

Jequié, não possui ciclofaixas, ciclovias, nem sinalizações de trânsito voltadas para o ciclismo, apesar do número expressivo de ciclistas na cidade, que utilizam a bicicleta das mais variadas formas, trabalho, lazer, esporte, ciclotursimo, pedalar em grupos organizados. Não existe um censo sobre o ciclismo em Jequié.

No outdoor foi colocada uma imagem de um ciclista pedalando, sem face, pernas, e braços, em alusão a um ciclista invisível, para reivindicar das autoridades do executivo e legislativo municipal, políticas públicas para o ciclismo. (Ciclofaixas, ciclovias, placas de sinalização, incentivo ao ciclotursimo e aos grupos de pedais, apoiar os ciclistas que participam de competições esportivas, incluir a subcultura da bicicleta no currículo das escolas municipais, realização de audiências públicas para ouvir os ciclistas).

Desde o dia 4 de janeiro, quando o outdoor foi colocado no local, ciclistas passaram a fotografá-lo, compartilhando fotos em grupos de WhatsApp e redes sociais, dando visibilidade e provocando debates sobre o tema.

Assista ao vídeo produzido pelo documentarista e ciclista Dado Galvão, com participação de ciclistas de Jequié.

Fonte: Movimento @cicloolhar, por: Dado Galvão
jan/2021

#cicloolhar Resultado do concurso cultural Bicicleta, Substantivo Feminino.

Para lembrar o dia Internacional dos Direitos Humanos, (10 de dezembro), o Movimento @cicloolhar agracia com plaquinhas (Mulher, Ser Humano como Você), duas ciclistas mulheres, uma do interior paranaense, vencedora do concurso cultural, outra do interior baiano, agraciada por exercer cidadania em defesa do bem comum coletivo.

É o segundo ano que o Movimento #cicloolhar realiza o concurso cultural, que no ano de 2019, trabalhou o tema (Bicicleta + Direitos Humanos). Os agraciados com plaquinhas são anunciados sempre na data que lembra o dia mundial de defesa dos Direitos Humanos.

A Assembleia Geral das Nações Unidas adotou e proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos no Palais de Chaillot, em Paris, França, em 10 de dezembro de 1948. Todos os Estados-nação (à época, 58 membros) e organizações com interesse nos Direitos Humanos foram convidados a marcar 10 de dezembro como o Dia dos Direitos Humanos. Isso aconteceu em uma reunião realizada na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em 04 de dezembro de 1950. 

Concurso Cultural, Bicicleta, substantivo feminino.
Plaquinha #cicloolhar Mais Criativo.
Vencedora: Suzana Leide Garcia Couto,
Assis Chateaubriand – Paraná
@suzana_leide


Plaquinha Cidadania
Agraciada: Jilmara Gonçalves (Jil Bike)
Jequié, Salvador – Bahia.
@jilbahia18 

Dado Galvão, Movimento @cicloolhar
10 de dezembro de 2020



Proposta do Movimento #cicloolhar selecionada para receber recursos da Lei Federal de apoio a cultura Aldir Blanc.

 


A Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Administração e Secretaria de Cultura e Turismo, tornou público, no Diário Oficial do Município, edições de quarta-feira, 2, e desta quinta-feira, 3, os resultados das seleções de propostas culturais e solicitações de subsídio inscritos nos chamamentos públicos com recursos da Lei Aldir Blanc, nº 14.017, de 29 de junho de 2020.

De acordo com as Portarias, serão contemplados com os recursos da Lei Aldir Blanc, através dos editais de Concessão de Subsídio Mensal, Resistência Cultural, e, Festival Conexão Cultural, vários espaços culturais geridos por pessoas físicas, além de pequenas e microempresas culturais locais, e propostas culturais apresentadas pelos trabalhadores e trabalhadoras do setor cultural jequieense, nas variadas expressões artísticas e técnicas.

Desde o início do mês de junho deste ano, a Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Cultura e Turismo, vem trabalhando em ritmo intenso para viabilizar a aplicação da Lei Aldir Blanc no Município. Nesse sentido, foram implementados o cadastro cultural; consulta pública on-line; regulamentação local da Lei Federal, dentre outras iniciativas de discussão coletiva com vistas à construção democrática do plano de ação aprovado previamente pelo governo federal, que contou com a participação do Conselho Municipal de Política Cultural, Poder Legislativo, entre outras representações da sociedade civil.

Com a divulgação dos resultados dos editais municipais de cultura, os proponentes deverão ser convocados, pelo Departamento de Licitações, para que assinem os seus respectivos contratos ou termos de concessão de subsídio, com o objetivo de efetivar os pagamentos.

Acesse aqui o resultado do Edital Resistência Cultural:
Resultado Preliminar Resistência Cultural

 
Fonte: Prefeitura Municipal de Jequié - BA
dez/2020

#cicloolhar Elegância é riqueza interior

 #cicloolhar Dona Maria de Lurdes de Jesus e seu imponente vestido vermelho moradora da Barragem de Pedras, ex-moradora do Abrigo dos Idosos de Jequié - Bahia
 

“Existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara: a elegância do comportamento. É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado. É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto”. (Trecho do texto Elegância, de Martha Medeiros).

O chique do Cycle Chic é um pouco diferente daquele associado ao dinheiro e ao luxo; ele está mais ligado à ideia de elegância da qual Martha Medeiros fala brilhantemente em seu texto. Não é a roupa bem cortada de tecido nobre, as joias com pedras preciosas ou as bolsas de grife que tornam alguém elegante. A bicicleta não é só um acessório bonito, mas uma evidência do perfil caracterizado por um comportamento refinado, ao qual associamos o verdadeiro sentido de elegância.

Basta acessar os blogs protagonizados por Mikael Colville-Andersen, espalhados pelo mundo. Não é o batom, mas o sorriso que dá elegância aos ciclistas fotografados. Não é o corte de cabelo ou o formato dos óculos, mas o semblante amigável que torna estes ciclistas chiques. Não são os cremes e maquiagens o que os tornam bonitos, mas sim as expressões que sinalizam o respeito e a atenção com o trânsito.

Eles optam por cores que não necessariamente serão adotadas como tendência nas semanas de moda, mas que colorem e contrastam agradavelmente com a cidade.

Talvez a maior elegância dos adeptos ao Cycle Chic seja o gesto, especialmente expresso na escolha pela bicicleta para se locomover. É a elegância do comportamento desobrigado, natural, que acompanha cada um durante todo o dia, e não apenas no “obrigado” forçado ou no bom-mocismo das horas em que se convém praticá-lo.

Essa elegância não se compra. Ela vem de uma visão empática do mundo, que se traduz em generosidade, como respeitar o espaço das pessoas, e a bicicleta é um dos meios de transporte que melhor traduz este respeito.

Essa elegância não se aprende em livros de etiqueta. Ela só se manifesta verdadeiramente quando se é espontâneo, humano. Quem adere ao Cycle Chic contribui para a humanização do espaço urbano, fomenta o contato, o bate-papo informal, o olho no olho, coisas essencialmente elegantes.

#cicloolhar BR 116, Jequié/BA, (Crisman Bispo) “Cris” é mulher; trabalhadora da indústria de calcados Ramarim; ciclista orgânica/raiz, moradora do bairro “Curral Novo”, utiliza sua bicicleta para chegar ao trabalho.


O chique do Cycle Chic não está no brilho dos anéis, correntes e colares. O brilho que realmente cativa é o da educação e do respeito. É ter um estilo próprio, não melhor ou pior do que ninguém. É a elegância de saber ouvir, e quando falar, ter o mesmo tom de voz com o garçom e com o dono do restaurante. (LEIA MAIS)
 
 

#cicloolhar Mortes de ciclistas em rodovias federais na Bahia aumentaram 60%, alerta PRF.

 
Foto: Movimento @cicloolhar BR 116, Cidade Nova, Jequié - BA

A colisão que levou a óbito um ciclista em um trecho da BR-101 em Buerarema, no Sul baiano, no domingo (8) (ver aqui) mostra um aumento de acidentes e de vítimas fatais quando o atingido está em uma bicicleta. Segundo informou a Polícia Rodoviária Federal (PRF-BA) ao Bahia Notícias, houve um aumento de 60% no número de óbitos com ciclistas em estradas federais que passam pela Bahia. O período pesquisado corresponde a 1° de janeiro até 31 de outubro.

Enquanto que em 2019 foram 10 mortes de ciclistas, em 2020 foram 16 no mesmo intervalo de tempo. Os casos também mostram aumento de acidentes. Houve elevação de 20,7% no número deles com vítimas ciclistas. Foram 58 acidentes no período de 2019, e 70 no deste ano. Desses totais, o número de acidentes graves foi quase semelhante: 29 em 2019, e 31 em 2020.

Entre as rodovias federais na Bahia, a que teve mais acidentes foi a BR-116. Na rodovia federal com maior malha no estado ocorreram 21 acidentes em 2019 e 26 neste ano. Já na BR-101 – segunda em malha na Bahia – foram 10 em 2019 e 20 neste ano. De acordo com a PRF-BA, a diminuição dos acidentes com ciclistas depende não só de quem está na bicicleta.

DISTÂNCIA MÍNIMA DE 1,5 M

Precisa também de atenção de quem está no volante dos outros veículos. O principal fator das colisões com as bicicletas, principalmente as laterais, é o não cumprimento da distância mínima de 1,5 metro. No grupo das colisões, as transversais são uma das mais frequentes. Ela ocorre nas mudanças de posição – seja para entrar em uma via ou mudar de direção – quando não se faz a sinalização correta. A corporação alerta que o ciclista deve adotar posturas prudentes, como fazer a sinalização correta e usar equipamentos de segurança.

Para bicicletas com aro superior a 20 os itens obrigatórios são: campainha, sinalização noturna dianteira (nas cores branca ou amarela), traseira (na cor vermelha), lateral e nos pedais, em qualquer cor, e espelho retrovisor do lado esquerdo (acoplado ao guidom e sem haste de sustentação).

A PRF-BA ainda adverte que ciclistas devem circular sempre no acostamento. Em caso de não haver o espaço, o trânsito delas deve ocorrer nas bordas da pista de rolamento, em fila, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via.

Fonte: Bahia Noticias, nov/20

TEOLOGIA DE CICLISTA: CRISTOATIVIDADE É MOBILIDADE & FÉ.

Dado Galvão é documentarista idealizador do Movimento @cicloolhar

Como ciclista urbano vivendo em Jequié, cidade de aproximadamente 160 mil habitantes, no sudoeste do estado da Bahia, andando de bicicleta e observando alguns grupos de pedais na cidade onde moro e analisando fotos que recebemos de variadas regiões do Brasil, através do movimento (@cicloolhar), percebemos uma intensa relação entre o hábito de andar de bicicleta e a partilha, testemunho de melhora na qualidade de vida nos mais variados aspectos.

Diante do que observamos, quase cotidianamente na condição de ciclista curioso e, teólogo, (uma espécie de testemunha de testemunhos) do impacto positivo da bicicleta na vida de seres humanos e, mirando em algumas literaturas disponíveis no mercado, que decidimos pesquisa para fazer uma preliminar análise que denominamos como CRISTOATIVIDADE É MOBILIDADE & FÉ.

Inspirados no evangelho do apóstolo (João 10:10), que propaga que os ensinamentos de Jesus é fonte, ferramenta de qualidade de vida, principalmente na desafiadora vida terrena de tantas pedaladas, giros, trilhas e muitas fotos, onde sempre somos levados a crer que nela (vida) está toda alegria. “Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância”.
 
Vamos pedalar no ritmo de  Libanio, na sua obra Introdução a Teologia, para fundamentar o nosso pedal nos desfiadores caminhos e mistérios da fé.

"A teologia, no fundo, se resume em transpor para a linguagem a experiência de fé, como acolhida da revelação. Pelos dois lados, impõem-se a dimensão comunitária. A experiência da fé se realiza numa comunidade, já que a revelação lhe foi dirigida. E toda linguagem nasce da comunidade e dirige se à comunidade. A linguagem e a comunidade relacionam-se mutuamente, de tal modo que a comunidade cria a linguagem e a linguagem cria a comunidade". (Introdução à teologia - Perfil, enfoques, tarefas, 1996, p. 73).

@cicloolhar enviado por Juciane Araújo, Crateús - Ceará

Temos uma comunidade notoriamente universal onde a bicicleta nas suas infinitas linguagens é mais do que nunca o veiculo do futuro. A subcultura da bicicleta está presente no cotidiano das mais variadas cidades e classes sociais do Brasil e do mundo, andar de bicicleta vai muito além, como afirmou o escritor e ativista norte-americano Carlsson, no livro (Nowtopia: Iniciativas Que Estão Construindo o Futuro Hoje, Tomo Editorial, 2014), “andar de bicicleta é uma decisão política”. Soares, salienta na publicação A bicicleta no Brasil.

"Quem revisa a última década pode afirmar que o povo está dando a bicicleta de presente ao Brasil. A bicicleta é uma dádiva, sobretudo para quem vive em comunidades urbanas, pois ela desobstruí o espaço público, aumenta a segurança viária, tranquiliza nossas relações, economiza nossa renda e nossos impostos, nos dá autonomia e agilidade. Ela também é uma oferenda para a natureza, pois demanda pouquíssima matéria prima para fabricação, consome poucos recursos para sua infraestrutura viária, não empesteia o ar, é silenciosa e, misturando-se a ela, embeleza a paisagem". (A bicicleta no Brasil, Soares, 2015, p,8).

Andar de bicicleta vai muito além das mudanças físicas que comprovadamente são provocadas pela atividades físicas em seres humanos com aptidão para pedalar, sair do sofá, do marasmo, reunir energias para atividades que movimentem corpo e a mente, em um exercício de fé, naquilo que pelos mistérios da vida e da ciência acreditamos ser um exemplo real e concreto de CRISTOATIVIDADE, independente da fé professada. 
 
 @cicloolhar ciclista na igreja de São José, Barragem de Pedras de Jequié - Bahia
 
Vejamos um breve trecho dos testemunhos das ciclistas, Gisele Gasparotto e Chris Meliunas, ambos publicados na versão eletrônica da Revista Bicicleta.

"Quando comecei a pedalar, senti as mudanças físicas que a atividade física proporciona a qualquer pessoa que se dedica, entretanto, as maiores mudanças foram internas. E não me dei conta disso tão cedo, fui percebendo essas mudanças aos poucos. Acredito que me tornei um ser humano melhor. Melhor para mim principalmente e consequentemente, melhor para os outros. E, quando me deparo com depoimentos como o da Chris Meliunas (aluna da Lulu), sinto que estou no caminho certo, atendendo o meu chamado". (Revista Bicicleta, 15 fevereiro de 2020)

 
 @cicloolhar enviado por Graziela Batista, Cajazeiras - Paraíba

Segundo Soares, citando informações da Associação Brasileira do Setor de Bicicletas/Aliança Bike, já no ano de 2015.

"As bicicletas passam por um momento decisivo no país. Além de parques, trilhas e estradas, vemos o veículo, cada vez mais, nas ruas das cidades. Muitas vezes associada a um estilo de vida saudável, simples e livre, o uso da bicicleta tem sido cada vez mais impulsionado. Inúmeras prefeituras de grandes capitais nacionais adotaram a bicicleta e programas de incentivo à sua utilização. Assim, vemos que a sociedade passa a observar as bicicletas com olhos mais interessados, percebendo os benefícios que ela propicia". (A bicicleta no Brasil, Soares, 2015, p. 21) 

@cicloolhar enviado por Ellen Silva, Basílica de Nazaré- Belém/PA

Pedalando nas avenidas e trilhas da ciência teológica, motivado e provocado pela mobilidade & fé, observando a subcultura da bicicleta no Brasil e no mundo, na sua infinita diversidade, contendo a fé e, os benéficos por ela gerados na vida dos ser humanos que andam de bicicleta, especialmente na vivencia pré e quiçá logo, na pós-pandemia. 
 
É possível afirmar que o bom costume de andar de bicicleta estimula (mobilidade) que podem nos aproximar de Deus, transformando vidas humanas para melhor, naquilo que acreditamos serem os estímulos, movimentos do CRISTOATIVIDADE, observe o que afirma Libanio, em suas pedaladas que fundam fundamentar nossa Teologia de Ciclista.

"O conceito “teologia” situa-se numa sequência de movimentos que termina em Deus. Trata-se, antes de tudo de operação intelectual humana. Configura-se determinado tipo de saber, de conhecimento. Esforço de compreensão que a inteligência humana empreende. O Ser humano quer compreender sua fé. Pela fé, ele lança ponte intermédia que o liga a Deus". (Introdução à teologia - Perfil, enfoques, tarefas, 1996, p. 67)
 
@cicloolhar envido por Evandro Abreu, São Borja - Rio Grande do Sul

Convidamos você ciclista para partilhar o seu #cicloolhar sempre no espírito do CRISTOATIVIDADE, em um exercício de testemunho, fé e reflexão, seja você ciclista de qualquer crença ou religião.
 
Que nossa pedalada de partilhas, reflexões e provocação de fé, ajude a despertar mais ainda o CRISTOATIVIDADE que vive e pedalada todos  os dias com você.

Dado Galvão, ciclista, criador do Movimento @cicloolhar, documentarista, bacharel em Administração em Marketing, (UNIFTC) e Teologia de inspiração Católica, (UNINTER), especialista em fotografia, (UNIARA) e Produção Multimídia com Ênfase em Audiovisual, (PITÁGORAS/UNOPAR).

nov/2020